quarta-feira, 2 de julho de 2014

Vontade Complexa


Vontade é tamanho, não existe em meu pensamento uma pequenina Vontade, se você tem Vontade, você deseja, almeja, aspira, cobiça e tenciona o universo para conspirar a seu favor.

Um sentimento com tamanho e sem igual, Vontade de sair da cama segunda-feira é maior do que ficar e dormir, sem acordar com sol nascendo e vendo o dia passar, sem ferver a água do delicioso café amargo de todas as manhãs, sem enxergar coisas ridículas que só a vida pode proporcionar, loucuras de encher o dia de Vontades estranhas e normais que fazem rotina nas mesmas esquinas, das mesmas pessoas que se transformam com situações e momentos diferentes, peças de um quebra-cabeça que muda sua forma e suas cenas todas as vezes que se tem Vontade ou não de ver a vida passar, breve e instantânea que nem um paparazzi possa registrar, Vontade que da e passa, Vontade que vem e que marca.

Vontade pode ser um desejo de apreciar momentos da vida, de preferencia a sua, com assinatura e sinal de sangue, para que seu sonho de viver e registrar momentos únicos, sejam de uma forma intransferível onde só possa relembrar. Talvez ate renascer, como fotos de família imitando e revivendo o que um dia foi fotografado, aceitando que o mundo ou melhor o universo que você próprio fez conspirar a seu favor lhe de o troco, de conviver com o quebra cabeça, que ajustou a cena registrada e a forma de encaixe das peças.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Caminhando para lugar nenhum.


 Perdidos e sem rumo em plena desordem simplesmente caminham para lugar nenhum, seus carinhos sempre me dão a luz na hora da escuridão, mas infelizmente em nossos sonhos nós não nos pertencemos, estamos deixando simples palavras tomarem forças sem sentido, onde são todas ditas da boca para fora, insultos tomaram as ruas e botaram fogo em todos os velhos sentimentos, álbuns e velhas recordações também foram perdidas...

domingo, 16 de setembro de 2012

Um Carlos fora do comum


Inquieto Carlos tinha vontade e medo de surtar, mas fazia de tudo para manter o controle. Ficou desestabilizado ao ver um grande amor do seu distinto passado andar como caminhasse nas nuvens da nova companhia de outra pessoa...
Carlos que lutou esses anos todos conseguiu superar e melhorar em muitas coisas dominou o inglês que antes era motivo de chacota entre seus amigos, aprendeu artes marciais, ganhou pontos na cara e claro fez musculação entre os livros e os aparelhos mais modernos de uma academia, tinha em mente que seu corpo esculpido por deuses tinha de ser tão bem comandado por um cérebro em uma perfeita hipertrofia, onde cada contorno de seu rico instrumento de conquista tinha que ter um desenvolvimento fora do comum de seu eu - intelectual, dividiu-se entre horas de academia e as dedicadas leituras aos bons livros, conheceu os dicionários e dominou o uso correto da grafia, ficou apaixonado por mapas e teve um relacionamento rápido e de forte paixão com os números... Criou um novo ser e o mais importante amadureceu sentimentalmente.
Infelizmente Carlos começou a desprezar qualquer vestígio, qualquer brasa de um novo amor que pudesse tomar quilos de carvões em muitas chamas, apagava com toda sua força e não cultivava seus novos amores... Desperdiçou inúmeras chances de ser feliz e realizado no sentido onde mais queria, Carlos sentia que a cada mulher que conhecia podia novamente ser apunhalado pelo coração e sem pena, assim ele repelia-se automaticamente de novas experiências. Com a sua masculinidade em alta, usou da pior maneira todas que vinham procurá-lo. Em poucos dias vivia um amor intenso, fazia da mulher que se deslumbrava com seu corpo a mais feliz por poucos momentos, ele nunca procurava e sempre se mostrava disponível quando elas iriam ate ele, mas como num piscar de olhos tornava tudo que era amor em um enorme vazio, amargurou corações e assim segui por longas enganações de suas fieis prezas, mentiu e omitiu, como teve seu coração partido, inconscientemente foi dominado pela vontade de praticar esse arrependimento o que não o abalava...
Assim Carlos seguiu por uma estrada sem muitas escolhas, onde a satisfação própria era o único caminho...

terça-feira, 10 de julho de 2012

Chega de ilusão

Chega de calar essa boca que quer gritar para o mundo e ser reconhecida, tornei-me em pouco tempo um mudo, um desigual, mais um nesse mundo dos fluxos quotidianos da futilidade. Eu quero me libertar desse mundo de desperdícios e delírios, onde a felicidade instantânea e a paz de espírito são menosprezadas pela ilusão momentânea,que tentam ser transmitidas pelo falso êxtase da vida, pelo auge dos momentos únicos que jamais serão revividos, onde as cenas daquele dia poderão se repetir em seus lugares e destinos, mas seus personagens não terão a empolgação ou falta dela e melhor não existirão dando lugar para inúmeras possibilidades da substituição das pessoas e acontecimentos.
Chega de mentir para o meu eu, que esta sufocado de mentiras e tudo mais desse mundo de pessoas acomodadas que aceitam migalhas e se confundem com falsos sonhos. Chega de ilusão, ninguém mudou nada e muito menos o próprio comportamento.

Do abandono para qualquer vitória..

Um bom e velho habito foi abandonado, escorraçado involuntariamente pelas horas de trabalho e pela necessidade da assiduidade na faculdade, no trabalho, ou seja fora de casa e longe de paz e sossego para escrever, enfim palavras foram rimadas sem sentido dentro do contexto da falta de tempo e o sentido é um só, blog abandonado e esquecido, nenhuma postagem há alguns meses, mas a pratica de pegar na caneta para escrever crônicas nunca mais tornou-se parte do meu cotidiano...

Um mar de amor !

Sua beleza me emocionou e me deixou com medo, medo de me perder nesse mar sem fundo chamado amor, medo de mais uma vez me afogar nas ondas de ilusão e morrer na ressaca das fortes ondas de desespero me jogando para fora do mar de amor.
Mas como sua beleza tem um ar de lucidez eu me entreguei ao seu mar sem medo de me afogar, fui me banhando e me deliciando, não tinha nenhum incomodo, nenhuma pedra que me fizesse para e voltar por um passe errado, suas leves ondas de carinho e aconchego me fizeram boiar nesse mar que é de rosas e de paz, sem medo eu digo novamente que me entreguei, mas não me arrependi, tempestades chegaram e se foram, ondas bateram e quebraram qualquer barreira que tinha contra o amor e assim hoje eu sou tão intimo seu que me confundo, que esqueço que somos duas pessoas diferentes, quero ser com você único de uma maneira boa para  os dois, não vou me excluir da vida, mas sim valorizar aquilo que me faz viver e sorri.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Tristes foram morrer em qualquer lugar...

Todas estavam desesperadas e inconformadas com suas antigas formas e ate com as regras. Todas queriam revolucionar e estavam cansadas de serem rimadas sem sentido, onde todo final de palavra rimava com a seguinte, só à ausência de conteúdo reinava, as letras estavam mergulhadas em um rio de magoas, onde iriam se afogar, textos e poemas foram esquecidos, agora a imaginação que cortou suas asas se rasteja e não sorrir, triste está sem se expressar e logo morrerá em qualquer lugar...